Thor: The Dark World Supera o Seu Primeiro Filme e Faz Jus ao Nome

  

   Sexta- feira passada (1º de novembro), a espera dos fãs do nosso aclamado Deus do Raio terminou. O novo filme da Marvel mostra o outro lado, obviamente um lado mais sombrio dos personagens, da história de Asgard e um perigo que o próprio rei Odin não possui forças para controlar.  Certamente os fãs da saga não irão se decepcionar com o resultado do diretor Alan Taylor (Game of Thrones, Família Soprano) e do roteirista Christopher Markus ( Capitão América: O primeiro Vingador, As Crônicas de Nárnia).

   O filme já começa apresentando os inimigos chamados Dark Elfs, em sua imponência e arrogância em querer transformar o Universo em trevas através de uma das 6 gemas infinitas, o chamado Éther. O rei Odin (Anthony Hopkins) nos conta sobre a história de seu avô que levou o exército asgardiano contra os Dark Elfs, e venceu a batalha, restaurando o equilíbrio entre os Nove Reinos. O exército do mal é liderado por Malekith (Christopher Eccleston) que escolheu um momento exato para a batalha, a chamada convergência entre os planetas , onde estes se alinham, criando espécies  de “portais” escondidos nos mundos.  O avô de Odin ganha a guerra, rouba o Éther e põe Malekith para dormir durante décadas.

   Voltamos ao presente, após os acontecimentos de Avengers, Thor (Christopher Hemsworth) e seus amigos terminam de restaurar a paz entre os Nove Reinos e retorna à Asgard. O nosso herói está visivelmente mudado, mas humilde e notorialmente mais sério. Destaque para a mudança e o desenvolvimento das personagens ao longo da saga, que é bastante representativo neste filme. Odin, em uma conversa com Thor, declara que pretende que o filho assuma seu lugar como Rei e pense em se casar com uma moça típica asgardiana (fica claro o interesse dele de juntar o filho com a companheira de guerra Sif). Thor por sua vez, recusa e explica que seu amor se encontra na figura da mocinha humana e frágil Jane Foster (Natalie Portman) e diz que continuará defendendo Asgard, mas sem ser o rei e que seu irmão, Loki( Tom Hiddleston), se não fosse um traidor, por ter maiores conhecimentos políticos, poderia assumir o trono. Enquanto isso na Terra, Jane Foster em sua busca frenética pelo amado herói, acha um desses portais, na cidade de Londres, onde ela é levada exatamente para o local onde o Éther está escondido. A substância se apodera do corpo de Jane e imediatamente Malekith acorda de seu sono profundo (Sleepy Beauty feelings) e parte direto para Asgard com o seu batalhão de naves invisíveis (WTF?), em busca de sua preciosa substância, pois Thor preocupado leva Jane a sua terra natal. Após a invasão, Frigga a mãe de Thor e Loki morre ao defender a mocinha e Odin, cego pelo sofrimento e o ódio pela perda de sua amada decide sacrificar seu exército para defender a cidade. Thor bola um plano a fim de evitar tal sacrifício e destruir o Éther, que no momento se encontra alojado no corpo de Jane e está consumindo todas as suas forças vitais, mas o pai não concorda. E assim a verdadeira trama da história se inicia, pois Thor é obrigado a trair as ordens do pai e busca ajuda em quem menos confia, seu irmão Loki que está preso por sua traição.

   O que motiva Loki à ajudar seu irmão é a grande perda de Frigga, sua mãe. Ela era a única pessoa que ele se importava e agora ele deseja vingança. Mas será que Thor pode realmente confiar nele? É nesse momento que Hiddleston rouba a cena e movimenta o filme entorno de suas ironias e seu humor que se encontra extremamente ácido depois do exílio.  Depois que Thor liberta o irmão, só dá Loki. O ator conseguiu com que seu personagem se tornasse o mais carismático e em suas palavras, ele descreve melhor do que ninguém o que se passa com seu personagem:"O que acontece agora? O que ele irá fazer? Qual o nível de remorso ele tem? Isto é, se ele tem remorso de algo o se sente culpado?Na frente de quem ele se sente culpado,e de quem ele ri?Qual é a sua motivação?Se ele está para ganhar, qual seria o prêmio? Como um personagem, ele possui toda essa motivação, mas como ator estou imerso nesta questão em interpretar o herói ou vilão.”. De fato o cara dá um show de interpretação, mas a questão é se ele finalmente se tornou um homem bom ou se ele está só manipulando a todos e o filme satisfaz o espectador, enchendo-o com perguntas e reviravoltas. Porém, para um espectador mais apurado, essas grandes surpresas já são esperadas e este facilmente pode deduzir o que acontece.

  O roteiro realmente parece bem simples, com muitas cenas de pequenos flashes de humor, extremamente básicos, porém um tanto engraçados. Apesar que, em certos momentos, as piadas passam um pouco dos limites e até mesmo em cenas de extrema tensão, elas cortam completamente o clima. A respeito dos efeitos especiais, a maquiagem dos Dark Elfs não é tão surpreendente, mas não deixa a desejar, e o mais interessante é a língua, diferente de todos os personagens, que estes usam para se comunicarem. O roteirista fez questão que os elfos possuíssem uma língua própria e isso torna muito maior a caracterização e a veracidade desta raça banida. Temos até um momento com a atriz Natalie Portman, o qual o Éther responde ao chamado de Malekith e de repente a iluminação fica vermelha e os olhos da atriz trocam de cor, bem Cisne Negro style.

  Ao todo, o filme é bem ambientado, o desenvolvimento dos personagens é o mais marcante  e realmente, o perigo dos Dark Elfs parece bem real e causa uma certa aflição no espectador. Mas como todo filme de heróis de quadrinhos, já sabemos que o mocinho vence, a paz reina, e o amor protege o casal um tanto clichê de Jane Foster e Thor. A cena final também pode trazer uma supresa boa ou ruim, dependendo do ponto de vista e um mistério que fica em aberto para um novo filme. Como de praxe, Stan Lee também faz sua aparição neste filme em uma cena em um asilo para idosos. Surpresas se encontram também, dando uma introdução para um Avengers 2 ou 3, na cena após os créditos.  Concluindo, na minha opinião o filme recebe nota 8, pois o filme excede as expectativas e satisfaz um público até mais exigente e aguardaremos o próximos lançamentos da Marvel.

0 comentários: